NFT e metaverso: qual a relação com o registro de marcas?

Você sabe qual o papel do registro de marcas para produtos e serviços com NFTs ou para uso no metaverso? Neste artigo você vai entender essa relação e por que é fundamental proteger seu ativo, garantindo o direito de exclusividade.

NFT e Metaverso

Duas das palavras mais buscadas na internet em 2021, NFT e metaverso despertam a atenção do mundo para um futuro que se imaginava estar um tanto quanto distante. Bem, o futuro já chegou! E ele traz uma gama de experiências virtuais que vai transformar até a maneira como se faz negócios, inclusive no que diz respeito ao registro de marcas.

Entender sobre NFT e metaverso e qual a relação deles com registro de marcas é fundamental não somente para quem já tem a propriedade sobre um produto ou serviço devidamente concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), mas também para quem ainda pretende investir nessa imersão digital e não possui o direito de uso e exploração exclusivos sobre determinada marca.

No decorrer deste texto, você vai entender que é primordial ter o registro no INPI para a marca de um serviço ou produto dentro do território brasileiro, mesmo que o investidor já seja detentor de um NFT.

Mas, para que fique bem claro cada ponto, vamos começar pelo início.

O que é NFT?

NFT significa Non Fungible Tokens – em bom português, Tokens Não Fungíveis. Trata-se de um código numérico que funciona como registro de propriedade de um conteúdo digital. É um certificado que torna o bem único, original e exclusivo.

Músicas, obras de arte, fotos, vídeos, mensagens, memes e até postagens nas redes sociais podem ter um NFT. E o dono deste certificado de originalidade pode negociar o item neste ambiente virtual.

Um caso emblemático foi a venda do NFT do primeiro tuíte da história, escrito pelo cofundador do Twitter, Jack Dorsey. Foi leiloado por US$ 2,9 milhões no ano passado.

Desde 2021 estamos vendo uma avalanche de transações desses tokens. De acordo com o site Nonfungible.com, somente nos primeiros três meses do ano passado, os valores dessas negociações chegaram a US$ 5,9 bilhões, o triplo em relação ao mesmo período de 2020.

Por isso, a expectativa é de que o NFT se torne a principal forma de fazer negócios no metaverso, cujo conceito você vai conhecer logo abaixo.

O que é Metaverso?

Metaverso é um conjunto de ambientes virtuais em 3D em que as pessoas podem interagir com o uso de dispositivos – como óculos de Realidade Virtual – conectados à internet. Um Universo paralelo ao ambiente real, físico, no qual vivemos,  criado a partir de tecnologias como realidade virtual (RV) e realidade aumentada (RA).

Por meio de um avatar – uma espécie de bonequinho virtual criado pelo usuário -, é possível se comunicar e viver experiências online.

Pode parecer maluquice para quem não é familiarizado com o assunto, mas o metaverso permite, por exemplo, que você assista a um show ao vivo, caminhe por um shopping, faça compras.

E esse mundo virtual  se conecta com o real. Você pode receber o que comprou em casa, ir a um restaurante com o seu avatar, pedir uma comida para que o delivery faça a entrega na sua porta.

Com isso, o metaverso está atraindo grandes empresas interessadas em explorar esse ambiente online. E qualquer empreendedor pode ter sua marca de produto ou serviço exposta para o mundo todo, ampliando seus resultados.

Mas é necessário ter os devidos registros para garantir não só o uso exclusivo dessa marca, como também se proteger caso alguém viole seus direitos de propriedade intelectual.

Entenda a relação entre NFT, metaverso e registro de marcas

Você já viu que o NFT é um certificado que atesta a autenticidade de um item digital – com direito de uso e exploração exclusivos do titular deste token no ambiente online. Também já leu que o metaverso é um mundo virtual no qual as pessoas podem interagir, inclusive fazendo negócios.

E qual é a relação do registro de marcas com essas duas novidades altamente tecnológicas?

Importante salientar que o NFT não garante direitos exclusivos de uma marca.  Esse direito, em qualquer país do mundo, só adquire quem requer o registro da marca nos respectivos Órgãos, aqui no Brasil, no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Então, mesmo que se obtenha um NFT de um logotipo – lembrando que se trata de um certificado digital –, ele não protegerá legalmente seu  titular contra o uso por parte de terceiros, seja no mundo real ou no metaverso. O registro de uma marca no INPI, vale ressaltar, segue a Classificação de Nice que é uma resolução que classifica marcas por categorias. Então, ao solicitar o registro, o requerente precisa estabelecer em qual classe sua marca se enquadrará – existem 45 (34 para produtos e 11 para serviços).

Como escolher uma consultoria para registro de marcas?

Agora que você entendeu como é importante ter ajuda especializada na hora de registrar uma marca, é fundamental saber escolher quem vai executar esta missão. O primeiro ponto é buscar uma consultoria que já tenha seu nome consolidado no mercado, com credibilidade e histórico de confiança.

A VILAGE Marcas e Patentes atua neste segmento há 36 anos, com escritórios em todo o Brasil, Estados Unidos, Alemanha e China e mais de 23 mil clientes satisfeitos. Toda essa expertise é reforçada com profissionais altamente qualificados e atualizados com as novas tecnologias, das quais fazem parte os NFTs e o metaverso. Para saber mais detalhes de como proteger sua marca, entre em contato conosco pelo telefone 0800 703 9009 ou clique aqui. 

Artigos Relacionados

Registro de marca para startups

Registro de marca para startups: por que fazer?

Ver Publicação
busca de anterioridade de marca

A busca de anterioridade da sua marca foi feita corretame...

Ver Publicação