O que fazer antes de mudar o nome da empresa

Você está conduzindo seu negócio há um bom tempo? Se sim, certamente já deve ter parado para pensar em como a marca que identifica o produto ou o serviço da sua empresa faz toda a diferença no seu desempenho. Afinal de contas, é a sua identidade. Há inúmeros motivos que levam à alteração de uma…

O que fazer antes de mudar o nome da marca

Você está conduzindo seu negócio há um bom tempo? Se sim, certamente já deve ter parado para pensar em como a marca que identifica o produto ou o serviço da sua empresa faz toda a diferença no seu desempenho. Afinal de contas, é a sua identidade.

Há inúmeros motivos que levam à alteração de uma marca. Um deles é quando o antigo nome perde a relevância que antes tinha para a empresa. Outro é quando se dá um nome que se refere a um bairro ou rua, por exemplo. Mas qual é o problema? Bom, o negócio pode crescer, abrir uma filial em outro local e o empreendedor se arrepender do nome que escolheu. Ou então, uma situação ainda pior, é quando a empresa é obrigada a cessar o uso da sua marca por ser registro de terceiro.

Mas é preciso ter muita calma nessa hora. Como falamos, a marca é a identidade do seu negócio. Logo, trocá-la significa mudar a identidade dele. Sendo assim, a mudança deve ser feita sempre com esse propósito.

Então, não deixe de conferir este texto que preparamos para você! Boa leitura!

Quando é o momento certo para mudar o nome da marca?

Veja, a seguir, quais são as principais razões que indicam a mudança de marca como uma excelente estratégia para você mantê-la  em evidência no mercado!

Mudança de gestão ou fusões entre empresas

Em alguns casos, as fusões entre empresas ou as mudanças nos cargos de gestão acabam levando a algumas transformações tanto na abordagem quanto na filosofia da corporação. Em casos assim, a mudança da marca da empresa é usada para readequá-la considerando esse novo posicionamento na direção.

Perda de relevância da marca

O consumidor e o mercado estão em constante evolução, como todos nós sabemos. Com o passar do tempo, você pode notar que seu negócio não tem mais o destaque de antes em relação à concorrência. Por isso, mudar o nome da marca pode ser uma estratégia muito inteligente e bem-vinda para despertar o interesse do público novamente.

Expansão de mercado

Quando a empresa começa a se expandir muito, indo além do conceito original, a mudança da marca tem que refletir toda essa evolução. Assim, consegue-se orientar tanto os antigos quanto os novos clientes sobre as novidades da expansão.

Busca de um novo público

A mudança do nome da marca também é muito usada nos casos em que um negócio deseja se reposicionar no mercado e conquistar um perfil de consumidor bem distinto.

Além disso, não podemos deixar de mencionar que essa mudança tem sido uma ótima estratégia até na diminuição dos danos sofridos por uma reputação ruim.

Ordem judicial

Você começa a usar uma marca sem se dar conta de que ela já foi registrada por outra empresa. Por essa razão, você recebe uma ordem judicial para cessar o uso da sua marca, imediatamente, sob pena de pagamento de multa diária.

Quais os fatores que devem ser considerados antes de tomar a decisão de mudar a marca da empresa?

Ok, você já está disposto a trocar o nome da sua marca. Mas, antes de qualquer coisa, é importante levar em conta alguns fatores relevantes para bater o martelo com consciência e muita certeza! Confira quais são eles!

Encontre um motivo relevante para fazer a troca

Não é uma boa decisão trocar o nome da marca só porque você não gosta mais. É importante ter em mente que a mudança deve ser feita se for realmente necessária. Lembra que a marca é o que identifica seu negócio para as pessoas, certo? Então, ele precisa ser tratado com total respeito por você.

Entenda o que essa mudança exige

É preciso saber que as consequências de uma troca de marca vão muito além da mudança do letreiro. Mudar a marca exige também a troca nos materiais de escritório, nos cartões de visitas, nos materiais de vendas e, sobretudo, nas buscas pelo seu negócio na Internet. É fato que tudo isso vai resultar em custos e você pode perder clientes durante o processo.

Pesquise muito

É fundamental que você crie uma marca exclusiva para sua empresa, pois, assim, o público vai se identificar com a identidade do seu negócio, sem confundi-lo com outro que já existe no mercado.

Sem contar que qualquer outro empreendimento que tenha sua marca registrada tem o direito de contestar o registro da sua, afinal, ele fez o pedido de registro antes de você. Então, se você quer evitar esse tipo de problema, siga as dicas que trouxemos aqui:

  • Antes de tudo, pesquise nas mídias sociais e no Google o nome que você pensou para sua empresa. Assim, você consegue ter uma noção bem abrangente sobre posicionamento de mercado, empresas com o mesmo nome e concorrentes;
  • E claro, para que você possa descobrir se um nome já existe legalmente, entre em contato com a Vilage para fazer uma busca junto ao banco de dados do INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial).

No INPI é importante fazer uma pesquisa bem criteriosa, levando em conta todas as variações escritas e fonéticas. É necessário realizar a busca de diversas maneiras e ter um conhecimento técnico para analisar marcas semelhantes que eventualmente apareçam, e que talvez possam atrapalhar a sua empresa futuramente.

Mostre a nova marca ao público

É importante pedir opinião das pessoas — de clientes até fornecedores. Procure saber o que essas pessoas pensam, se elas gostam e se vão se lembrar da marca. Isso vai dar uma ideia para você de como vai ser o resultado da troca.

Tenha bastante calma

Lembre-se de pensar nessa alteração de marca com muita calma e muito cuidado. Jamais tome uma decisão precipitada, pois isso pode trazer consequências graves por vários anos. Não tenha pressa para realizar uma troca de nome e/ou logotipo, pense principalmente se a sua decisão é mesmo definitiva e pergunte a opinião das pessoas mais uma vez para ver se muda.

Quais são os cuidados na hora de escolher a nova marca?

Além da questão de criar uma marca exclusiva para seu negócio, é fundamental que você fique atento a alguns cuidados nesse momento de tanta relevância para o seu negócio. Vamos explicar tudo em detalhes para que fique bem claro para você.

Por exemplo, é bem comum o empreendedor optar por uma expressão que esteja relacionada ao seu serviço ou produto como o nome da marca que vai representar toda a empresa. No entanto, é preciso ter cuidado. Bom, o que acontece é que as marcas puramente descritivas não podem ter registro. Alguns exemplos que podemos citar são “carro” para uma empresa de automóveis, “blusa” para loja de roupas e muitas outras.

Além disso, é importante ficar claro que não adianta nada mudar a grafia da marca para tentar distanciá-la de outro que já existe. Usar “CH” no lugar de “X” ou “K” no lugar de “C”, por exemplo, não muda nada. Sempre que a sonoridade for semelhante e a palavra tiver a mesma semântica, tenha certeza de que o registro não vai ser concretizado. Por essa razão, a grafia da marca pouca importa.

Outra questão que merece muito cuidado é quando você conhece uma marca no exterior e pensa em registrá-la aqui no Brasil. Embora a marca da empresa estrangeira não tenha sido registrada aqui, ela vai ter total prioridade no processo de registro. Nesse caso, o ideal é tentar uma representação, licença local ou então em uma marca nova, que seja própria. Lembrando que também não vale criar uma versão em outro idioma para uma marca que já é conhecida. O registro não será aceito.

Ah, não se esqueça de que a expressão escolhida não pode induzir a uma falsa ideia, seja da origem, qualidade, utilidade do serviço ou produto, procedência, seja da natureza. Por isso, se o nome da sua marca tiver algo parecido como “Vinho da França” e você não é francês e o produto não é produzido lá, saiba que o registro vai ser negado.

Por fim, temos que mencionar que há regras especiais para as famosas marcas conhecidas e de alto renome. Bom, para que fique bem explicado, é importante entender que os principais motivos que impedem o registro de marcas com o mesmo nome são:

  • Quando os empreendimentos atuam no mesmo nicho de mercado;
  • Quando já existe uma marca bastante famosa com o nome.

O que acontece é que as marcas renomadas têm uma proteção especial, e isso gera exceções quando se fala de registro de marcas idênticas. A marca Coca-Cola, por exemplo, tem total exclusividade do nome, seja qual for o ramo de atividade.

Outro ponto que merece atenção é quando pensamos na identificação visual da marca. Para que seja possível fazer o registro de uma marca com nome igual à outra, é fundamental que a identidade visual (logotipo e demais elementos gráficos) não faça ligação entre ambas as marcas.

É preciso ter em mente que as marcas que querem ganhar notoriedade utilizando a semelhança visual e a popularidade de outra que já existe no mercado não vão ter registro aprovado.

É muito recomendado que uma empresa habilitada ajude nesse processo da escolha do nome da marca, afinal, existem vários aspectos legais que acabam influenciando no resultado. Sem dúvida alguma, contar com o auxílio de quem entende do assunto evita muitos erros.

Como funciona o processo?

Você está decidido a mudar o nome da sua empresa? Então é importante conhecer o processo. Vamos apresentar os passos mais gerais. Confira!

Renovação dos certificados digitais

Quando você faz a mudança, muitas outras coisas deixam de ser compatíveis com sua marca. Os certificados digitais são bons exemplos, ou seja, aquelas chaves criptográficas que são utilizadas para assinar documentos digitalizados online. Não se esqueça de alterar o nome registrado nesses certificados, pois assim você evita ser pego de surpresa quando não conseguir assinar os documentos.

Quando há mudança de marca, é preciso fazer um novo registro no INPI?

Sabe por que estamos sempre frisando a importância de pensar com calma e cuidado na escolha do nome da sua marca? Porque a regra geral é que uma vez apresentada a solicitação de registro, ele não vai poder sofrer modificação, ou seja, ele vai ser analisado com base naquilo que foi apresentado logo no primeiro momento.

Contudo, há algumas hipóteses em que as mudanças são aceitas, seja por causa de mudança de situação, como de titular, seja em função de erros. Não é nada atípico que alguns anos depois do desenvolvimento de uma marca ela sofra alterações. Você muda a fonte das letras, escolhe uma cor nova, insere uma imagem diferente.

Mas então o que fazer se já existe um registro ou um processo em andamento no INPI e se há a necessidade de mudar o nome da marca? Bom, é importante ficar bem certo de que você não vai poder mudar o seu pedido de registro, nem o certificado, caso ele já esteja em suas mãos.

Além disso, nem mesmo na renovação do seu registro vai ser possível fazer uma “renovação da marca”. E, claro, com o logotipo acontece o mesmo processo: se mudá-lo, é preciso fazer um novo registro.

É importante ressaltar que a concessão do registro de marca assegura o seu uso com exclusividade em todo o Brasil, ou seja, só você vai poder utilizá-la. Porém, esse limite é determinado pelo que está no certificado. O que significa que é aquela marca que consta no documento, ou a que está em processo de análise, que vai ser objeto de toda essa exclusividade.

Dois detalhes são fundamentais e devem ser compreendidos:

  1. Caso você não use a marca tal como concedida, há o risco de perdê-la;
  2. Ao usar a marca diferente da que está presente no certificado, você vai ter problemas quando quiser impedir que terceiros usem essa expressão.

Esses detalhes reforçam um cuidado muito necessário: se você está usando a sua marca de maneira diferente, certamente vai ter que solicitar o registro dessa apresentação nova.

O processo de reposicionamento de marca caracteriza uma alteração nos registros iniciais, por isso é uma nova marca que tem que ser registrada do zero. Além disso, trata-se de um processo totalmente independente daquele que consta junto ao INPI.

Por fim, é importante destacar que é muito indicado que as empresas que seguem nesse processo mantenham os seus registros antigos (exceto quem for obrigado a mudar de marca por ordem judicial), seguindo todo o protocolo anterior, como fazer o registro em todas as classes anteriores. Fazendo isso, todas as versões vão estar bem protegidas contra o uso indevido por terceiros e a violação dos direitos, incluindo, claro, qualquer tentativa de disputar a marca por caducidade.

Gostou do texto? Ficou com alguma dúvida? É só entrar em contato conosco. Estamos aqui para te ajudar no que for preciso. E, claro, continue acompanhando os conteúdos do nosso blog para aprender mais!

Artigos Relacionados

Direito de uso de marca

Direito de uso de marca: como os alemães impediram a ‘tra...

Ver Publicação