Negócios em plataformas digitais: como proteger minha marca na internet?

Com o aumento de empresas que expandiram sua atuação para o ambiente online, cresce também o risco de uso indevido de seu ativo mais importante: a marca. Entenda como se proteger neste momento em que o mundo virtual funciona como um grande balcão de negócios.

Proteger marca

“Dá um Google aí”. Quem nunca escutou isso ao perguntar onde fica tal restaurante ou onde encontrar tal produto? Com a expansão digital das empresas de todos os segmentos, a solução está sempre a um clique de distância do consumidor. Simples, assim. Porém, com essa explosão de negócios em ambiente online, todo empreendedor precisa de uma resposta para outro questionamento: “Como proteger minha marca na internet?”

Se você ainda não parou para pensar nisso, é altamente recomendado ler esse post até o final para entender como isso pode mudar os rumos do seu maior ativo, a sua marca. Caso você já se preocupe com este tema, fique tranquilo porque neste texto nós vamos explicar exatamente como se proteger.

Em primeiro lugar, é importante saber que o registro de marcas e patentes é fundamental em qualquer cenário. Antes mesmo de acontecer esse ‘boom digital’ das empresas no Brasil e no mundo, adotar esse procedimento já era essencial para garantir seus direitos e proteger seus ativos.

Desde o início de 2020, no entanto, essa preocupação chegou também à internet, que foi a salvação de muitos negócios ameaçados pelos reflexos da pandemia de coronavírus. O que começou como uma saída emergencial hoje é um caminho sem volta, um “novo normal”.

Para se ter uma ideia do tamanho desse movimento virtual, 70% das micro e pequenas empresas passaram a investir na digitalização de suas atividades nos últimos dois anos, segundo pesquisa do Sebrae. Isso significa que de cada 10 empreendimentos com pontos físicos, 7 começaram a atuar também na internet, seja em redes sociais ou outras plataformas, como sites e aplicativos. Com isso, todas as preocupações que um empresário deve ter para proteger seus ativos se tornam ainda maiores. Afinal, com o avanço da empresa no ambiente virtual, o risco de alguém usar indevidamente seu nome ou o registrá-lo antes de você é grande. E é por isso que nós vamos explicar abaixo como proteger sua marca.

Como proteger minha marca na internet?

Proteger sua marca na internet e fora dela é basicamente a mesma coisa. É necessário fazer o registro no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial). Este é o órgão competente no Brasil para garantir a exclusividade do uso da sua marca, proporcionando maior segurança jurídica e financeira.

Com o registro no INPI, você pode, por exemplo, acionar na Justiça se alguém usar sua propriedade sem o seu consentimento. É uma garantia de que o investimento realizado em determinada marca – muitas vezes durante toda a vida – não seja perdido de uma hora para outra porque você não fez o que deveria.

Entenda como marca tudo aquilo que identifica sua empresa, como o nome, o símbolo ou logotipo. Para garantir esses direitos sobre a propriedade é recomendado contar com a consultoria de uma empresa especializada em registro de marcas e patentes – como a VILAGE.

Afinal, são muitos passos prévios necessários para requerer o registro e a ajuda de um especialista é fundamental porque reduz muito a chance de ter o pedido negado, evitando, assim, o desgaste emocional e o prejuízo financeiro.

Por que proteger minha marca na internet?

O volume de empresas que migrou para o ambiente virtual é muito grande. Com isso, não é muito difícil haver conflitos com marcas iguais dentro do mesmo segmento. Desta forma, somente aquela que estiver registrada no INPI poderá ser utilizada.

Um bom exemplo de como isso é importante aconteceu no ano passado. Uma empreendedora de Pernambuco viu na pandemia a chance de criar um negócio virtual. E fez um grande sucesso nas redes sociais com a marca “Maria Brigadeiro Gourmet”.

De acordo com reportagem publicada no site da revista Isto É, ela já tinha mais de 150 mil seguidores no Instagram e mais de 2,5 milhões de visualizações no Tik Tok, quando recebeu uma notificação extrajudicial que a avisava que não poderia mais utilizar a expressão “Maria Brigadeiro”. Já havia uma marca com esse nome registrada no INPI.

Este caso mostra bem a importância de se proteger. É sabido que a empresa que não estiver no ambiente online ficará para trás em relação aos seus concorrentes. Mas lançar um site, criar um perfil comercial nas redes sociais ou se associar a aplicativos não é o suficiente para ter sucesso. Proteger sua marca na internet deve ser uma preocupação contínua.

Atenção: o registro do domínio na internet não dispensa o registro no INPI

Esse é um erro comum para quem ingressou no mundo dos negócios recentemente. Muitas pessoas perguntam se, depois que o site já está estabelecido e com o devido domínio registrado, é necessário fazer o registro da marca no INPI. A resposta é sim!

Ao contrário do que se possa imaginar, uma coisa não exclui a outra. O registro do domínio de sua página na internet vai te garantir um endereço exclusivo no ambiente virtual. Mas isso não te dá a exclusividade sobre a marca. Para conseguir todos os direitos, você terá, obrigatoriamente, de fazer o registro no INPI. A Lei de Propriedade Industrial (9.279/96) deixa isso bem claro em seu artigo 129: “A propriedade da marca adquire-se pelo registro validamente expedido, conforme as disposições desta Lei, sendo assegurado ao titular seu uso exclusivo em todo o território nacional, observado quanto às marcas coletivas e de certificação o disposto nos arts. 147 e 148”.

Onde encontrar ajuda para proteger sua marca?

O registro de marca é uma operação que demanda conhecimento e experiência para que você não perca tempo e dinheiro e nem se decepcione com um resultado negativo por falta de atenção a detalhes importantes.

Sim, porque o fato de você fazer o pedido do registro não significa que ele será atendido. Os examinadores do INPI vão avaliar várias situações, entre elas se já não há outra empresa do mesmo segmento com a mesma marca registrada – o que pode fazer o pedido ser indeferido.

Além de fazer uma busca prévia para saber se determinada marca já está registrada, a consultoria especializada da VILAGE elabora todo o processo de pedido a ser entregue ao INPI, levando em conta os detalhes que fazem a diferença para os examinadores.

Outra coisa muito importante que você deve saber é que, mesmo ao proteger sua marca com o uso exclusivo, é indicado fazer um monitoramento contínuo para garantir que ninguém a use indevidamente. Assim, você evita que terceiros se aproveitem do investimento que você fez em sua marca.

A VILAGE é especializada em registro de marcas e patentes e tem mais de 35 anos de atuação neste segmento. Com profissionais experientes para conduzir todo o processo junto ao INPI, atendemos mais de 23 mil clientes no Brasil e no exterior. Para saber mais detalhes de como proteger sua marca, entre em contato conosco pelo telefone 0800 703 9009 ou clique aqui.

Artigos Relacionados

Registro de marca para startups

Registro de marca para startups: por que fazer?

Ver Publicação
NFT e Metaverso

NFT e metaverso: qual a relação com o registro de marcas?...

Ver Publicação