Blog VILAGE

Os 5 erros mais comuns de quem tenta registrar marca por conta própria

Registrar marca por conta própria

Você está pensando em registrar marca por conta própria? Afinal, inicialmente esta parece uma ótima solução para contenção de custos. Porém, não contar com um especialista no assunto pode trazer grandes prejuízos.

Registrar uma marca para seu negócio é um processo relativamente complexo, e é comum encontrar diversos erros, especialmente por desconhecimento de detalhes técnicos no processo de registro de marca.

Então, para ajudar você a entender por que contar com especialistas é tão importante, confira os 5 erros mais comuns neste processo.

Os 5 erros mais comuns ao registrar marca por conta própria

1. Não fazer uma pesquisa prévia:  Entrar com um pedido de marca sem realizar uma pesquisa prévia ou não saber interpretar o resultado de uma pesquisa no INPI pode trazer enormes prejuízos financeiros para uma empresa.  Muitas empresas já passaram pelo dissabor de serem notificadas após um período no mercado por estarem utilizando indevidamente marcas anteriormente registradas por terceiros, mesmo com seus pedidos requeridos no INPI. Isto se deveu a falha no momento da pesquisa da marca.

2. Não acompanhar prazos e o processo: a obtenção do registro leva em média 6 (seis)  meses no Brasil se não ocorrerem exigências, oposições de terceiros ou indeferimento por parte do INPI.  Por isso, é preciso acompanhar o processo e entender os despachos publicados pelo INPI, bem como, as providências a serem tomadas dentro dos prazos previstos por Lei.  Perder estes prazos significa que é preciso começar do zero.  Muitas empresas que realizam o requerimento por conta própria já perderam seus pedidos de registros e não tem conhecimento.

3. Se confundir com os documentos: para fazer o registro de marca, não adianta apenas fazer o pedido. É preciso também enviar uma série de documentos que comprovem o exercício da atividade, além de logotipo. É normal o INPI publicar exigências nestes pedidos, o que significa pagar taxas que poderiam ser evitadas, além de retardar o processo.

4. Errar a classe no momento do pedido de registro: não registrar a marca na classe correta é outro dos erros mais comuns por quem não é especialista no assunto. O INPI permite marcas semelhantes, e até iguais, desde que em atividades totalmente diferentes. Logo, se você não registrar na classe certa, pode não estar tão protegido quanto pensa.

5. Registrar palavras e símbolos proibidos: outro erro que costuma gerar muito tempo perdido. Existem restrições ao que pode ser registrado ou não, o que significa que errar neste momento é quase uma garantia de que seu pedido será negado.

Como não cometer estes erros?

Na maioria dos casos, como ficou claro, cometer estes erros leva a uma grande perda de tempo e dinheiro. Perder o prazo, por exemplo, pode significar que é preciso começar de novo, do zero, repetindo, inclusive, os gastos feitos no processo.

Também vimos que é um processo repleto de detalhes e quem não é especialista deixa muitos deles passarem. No pior, como registrar na classe errada, significa não ter toda a proteção, que é exatamente o ponto de fazer o registro.

Portanto, é crucial contar com especialistas no assunto. Não somente você evita cometer estes erros, mas o processo tende a ser agilizado em alguns meses. Então, você garante toda a proteção para sua empresa, e ainda resolve o problema de forma eficiente.

Entendeu por que registrar marca por conta própria pode ser perigoso? Caso tenha ficado com alguma dúvida, acesse nosso post com dúvidas sobre registro de marca. Além disso, você pode entrar em contato com um dos consultores da VILAGE. Proteja sua marca sem cometer erros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *